[Review] Mad Max: Fury Road (2015)

[Review] Mad Max: Fury Road (2015)

MadMax_TT_PTMadMaxFuryRoad_Poster_web

  • Realizado por: George Miller
  • Com: Tom Hardy, Charlize Theron
  • 120 Minutos
  • English: british-flag

 

Rápido, poderoso e visualmente brilhante… Mad Max: Estrada da Fúria é uma viagem infernal repleta de explosões e sequências incrívei. Quando em 1977, George Miller introduziu ao mundo a história de um anti-herói destinado a percorrer o seu próprio caminho para a vingança num futuro apocalíptico passado na Wasteland, onde gangues de estrada governavam as ruas, nada fazia crer que Mad Max acabasse por ser um ícone do cinema. Quase 40 anos após o lançamento do primeiro filme, Miller traz de volta a magia de Mad Max com Tom Hardy a substituir Mel Gibson naquele que pode ser facilmente descrito como o melhor blockbuster do ano, até à data!

Perseguido pelo seu turbulento passado, Mad Max acredita que a melhor forma de sobreviver é não depender de mais ninguém para além de si próprio. Ainda assim, acaba por se juntar a um grupo de rebeldes que atravessa a Wasteland, numa máquina de guerra conduzida por uma Imperatriz de elite, Furiosa. Este bando está em fuga de uma Cidadela tiranizada por Immortan Joe, a quem algo insubstituível foi roubado. Exasperado com a sua perda, o Senhor da Guerra reúne o seu letal gangue e inicia uma impiedosa perseguição aos rebeldes e a mais implacável Guerra na Estrada de sempre. [NOS Audiovisuais]

Ao sair da sala IMAX, devo dizer que sentia-me dominado por uma pequena excitação causada pela maioria das grandes cenas de ação. Mad Max: Estrada da Fúria tem ação escrita por todo o lado com sequências intensas que são tanto violentas como emocionantes. Sem perder o seu ritmo enérgico, Mad Max conquista o público com uma narrativa out-of-the-box, que, apesar de às vezes se tornar um pouco repetitiva, consegue ser intrigante e agradável ​​graças a personagens muito especiais (Max e Furiosa). Os dois rebeldes unem esforços quando Furiosa decide proteger algumas mulheres inocentes das mãos de Immortan Joe, o verdadeiro líder da Cidadela, e o seu relacionamento tem um pouco de tudo, desede momentos de desconfiança a momentos de grande química que levarão estas personagens a executar manobras emocionantes ao longo da sua jornada pela estrada da fúria. Quanto a Immortan Joe, ele é provavelmente um dos vilões mais temíveis que eu alguma vez vi num filme de ação. Acompanhado pelos seus “soldados”, Joe irá perseguir Furiosa e Max até que recupere aquilo que foi roubado dos seus aposentos, tornando Mad Max: Estrada da Fúria numa emocionante viagem que combina a guerra e a violência com a velocidade e adrenalina de uma forma que é simplesmente incrível. O filme conta também com Nicholas Hoult a vestir a pele de Nux, um dos soldados de Joe, uma personagem um pouco mais descontraída que está constantemente à procura de sua hora de brilhar.

Comparado com os blockbusters de hoje em dia, Mad Max: Estrada da Fúria pode ser visto como uma obra de arte, uma vez que consegue honrar filmes série-B de uma forma moderna e refrescante que, graças aos enormes avanços tecnológicos, deu a toda a experiência um aspeto visual bastante apelativo. Mad Max: Estrada da Fúria é uma surpresa em todos os sentidos e um filme intenso que deve ser visto no maior ecrã possível. Com uma banda sonora curiosa que apresenta tons épicos combinados com um pouco de heavy-metal no meio, a jornada adquire um tom épico que faz com que cada sequência de ação seja verdadeiramente emocionante. Relativamente a interpretações, Mad Max, também não deixa espaço para a deceção, com Tom Hardy e Charlize Theron, a mostrar a tudo e todos aquilo de que são capazes.

Com um exagero característico e com o tom entusiasmante e fora do vulgar que Miller deu à história, Mad Max: Estrada da Fúria pode ter a oportunidade de se tornar num clássico no futuro. Um regresso aos velhos tempos feito de uma forma elegante que deixa todos com os olhos vidrados nesta viagem alucinante. Com carros monstruosos e muitas explosões combinadas com alguns momentos violentos e de certa forma repugnantes, Mad Max: Estrada da Fúria promete ser bemsucedido, mesmo que se pareça mais como um filme série-B. Visualmente brilhante e convincente, Mad Max: Estrada da Fúria é uma jornada surpreendente cujos pontos fracos estão sobretudo relacionadas com um enredo um tanto ou quanto repetitivo, que acaba por não ter grande importância no meio de tudo aquilo que se vai passando. No final, após duas horas preenchidas com ação sem parar, Miller conseguiu aquilo poucos realizadores conseguem nos dias de hoje, um blockbuster genial!

stars_16

Páginas: 1 2



3 thoughts on “[Review] Mad Max: Fury Road (2015)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.