, Críticas, Estreias da Semana, Português, Reviews, Weekly Bamboo
Leave a Comment

Crítica | Linha Mortal (2017)

flatilinersPoster

  • De: Niels Arden Oplev
  • Com: Ellen Page, Diego Luna, Nina Dobrev
  • 1h50min

Linha Mortal, ou Flatliners é um remake do filme homónimo de 1990, uma espécie de teen-horror/sci-fi sobre um conjunto de jovens, aqui interpretados por um elenco mais jovial de onde se destaca Ellen Page, Diego Luna e Nina Dorbev, que decide participar numa experiência que desafia as leis da natureza, levando-os a viver por breves momentos no limbo entre a vida e a morte. Há aqui nesta premissa um pouco de ficção científica adensado por um tom misterioso mas, devo desde já confessar as minhas baixas expectativas para o resultado final que parecia já apressado em clips e trailers.

Resultado de imagem para FLATLINERS 2017

De facto, não existe muito ou provavelmente nada para nos prender ao enredo, para nos cativar ou sentir empatia pelas personagens que estão ali a pairar, sem qualquer tipo de profundidade ou personalidade. Personagens unidimensionais, que apesar de representarem jovens adultos com um enorme desejo de crescer e conquistar o mundo, não demonstram emoções de forma convincente e vêm as suas personalidades como meros estereótipos e clichés de tantas outras histórias direcionadas a um público mais jovem. Desenganem-se, no entanto, os que esperam uma narrativa previsível, porque à primeira vista, a história de Linha Mortal é um claro exemplo de uma autêntica barafunda. As motivações ora são pouco claras e explícitas, as personagens agem sem nexo e muitas das peripécias e direções que o enredo adquire não fazem sentido ou são apresentados de forma tola e/ou apressada, deixando no ar muitas interrogações.

Resultado de imagem para FLATLINERS 2017

Pelo meio deste enredo sci-fi/horror, temos algumas sequências mais pesadas, com sustos desnecessários e uma camada de paranormal que não me convenceram de todo, o que acabou por deitar abaixo o potencial da narrativa. Os sustos da cadeira não acrescentaram valor ao filme e acabaram até por prejudicar este na medida em que se distanciavam do aparente tom misterioso e científico que o filme tomou na primeira parte. Quase que se pode dizer que Linha Mortal conjuga dois filmes diferentes de forma apressada, pouco explicativa e com conclusões e peripécias que deixam muito a desejar, com uma mensagem óbvia que parece demasiado tola e desadequada à história, pela forma como é introduzida e apresentada.

Resultado de imagem para FLATLINERS 2017

Por um lado, as baixas expectativas que tinha eram já um indício de que deste Linha Mortal pouco poderia esperar. O elenco é eficaz e competente mas a história e respetivos personagens não funcionam, deixando muito a desejar num ano em que o fantástico e o terror nos brindaram com títulos tão apelativos e cativantes. É por filmes como Linha Mortal que o género perdeu adeptos e curiosos, com uma reputação manchada pelos sustos baratos, marketing abusivo e estilos demasiados comerciais e pouco eficazes a provocar e a assustar. Tal como o próprio enredo se distancia do potencial da premissa, também o filme se distancia e desilude. Dei por mim a torcer apenas pelo final da história, quer seja pela falta de empatia, quer pela história pouco apelativa. No fim de contas, este é um filme desnecessário, que não aquece nem arrefece e que é incapaz de entreter, cativar ou prender o espetador, deixando-se levar por clichés e desfechos apressados, sem desafiar ou provocar e sem deixar algo que faça valer a pena uma visualização.

stars_05

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s